Trabalhando as Emoções - Colégio Lectus
17172
page,page-id-17172,page-template,page-template-full_width,page-template-full_width-php,ecwd-theme-bridge,ajax_fade,page_not_loaded,,qode_grid_1300,columns-3,qode-theme-ver-9.2,wpb-js-composer js-comp-ver-4.11.2.1,vc_responsive
 

Trabalhando as Emoções

Trabalhando as Emoções

A Escola da Inteligência criada pelo renomado psiquiatra Prof. Augusto Cury tem como intuito trabalhar no espaço escolar as emoções dos alunos, dos professores, de toda a equipe que está no ambiente escolar, bem como da família dos alunos. Cremos que o trabalho com as relações interpessoais são fundamentais nesse novo século, permeado por um mundo virtual que, de alguma forma, desumaniza, distanciando-nos das nossas relações mais humanizadoras.

 

A complexidade do ser humano nos obriga a olhar para sua singularidade, ajudá-lo a penetrar nas camadas mais profundas de sua mente, para que possa se autoconhecer, perceber o outro e, acima de tudo, as qualidades das relações que vive. Conhecer-se é o maior salto que um sujeito pode dar em sua vida, para fazer as escolhas adequadas nos mais diferentes setores, a fim de não se deixar sabotar por emoções desgastadas, que o impedem de viver com qualidade, isto é, com um mínimo de conforto emocional para empreender aspectos de sua vida de forma criativa e competente.

 

Dessa forma, vamos empreender a mais linda viagem às profundezas de nós mesmos. Abaixo trazemos uma das mais lindas poesias de Carlos Drummond de Andrade:

O Homem; as Viagens

O homem, bicho da terra tão pequeno

Chateia-se na terra

Lugar de muita miséria e pouca diversão,

Faz um foguete, uma cápsula, um módulo

Toca para a lua

Desce cauteloso na lua

Pisa na lua

Planta bandeirola na lua

Experimenta a lua

Coloniza a lua

Civiliza a lua

Humaniza a lua.

 

Lua humanizada: tão igual à terra.

O homem chateia-se na lua.

Vamos para marte – ordena a suas máquinas.

Elas obedecem, o homem desce em marte

Pisa em marte

Experimenta

Coloniza

Civiliza

Humaniza marte com engenho e arte.

 

Marte humanizado, que lugar quadrado.

Vamos a outra parte?

Claro – diz o engenho

Sofisticado e dócil.

Vamos a vênus.

O homem põe o pé em vênus,

Vê o visto – é isto?

Idem

Idem

Idem.

 

O homem funde a cuca se não for a júpiter

Proclamar justiça junto com injustiça

Repetir a fossa

Repetir o inquieto

Repetitório.

 

Outros planetas restam para outras colônias.

O espaço todo vira terra-a-terra.

O homem chega ao sol ou dá uma volta

Só para te ver?

Não-vê que ele inventa

Roupa insiderável de viver no sol.

Põe o pé e:

Mas que chato é o sol, falso touro

Espanhol domado.

 

Restam outros sistemas fora

Do solar a colonizar.

Ao acabarem todos

Só resta ao homem

(estará equipado?)

A dificílima dangerosíssima viagem

De si a si mesmo:

Pôr o pé no chão

Do seu coração

Experimentar

Colonizar

Civilizar

Humanizar

O homem

Descobrindo em suas próprias inexploradas entranhas

A perene, insuspeitada alegria

De conviver.

Alguma dúvida? Use o formulário abaixo! Será um prazer responder você.