CONGRESSO DE PESQUISA DO ENSINO – EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA - Colégio Lectus
17152
single,single-post,postid-17152,single-format-standard,ecwd-theme-bridge,ajax_fade,page_not_loaded,,qode_grid_1300,columns-3,qode-theme-ver-9.2,wpb-js-composer js-comp-ver-4.11.2.1,vc_responsive
 

CONGRESSO DE PESQUISA DO ENSINO – EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA

Congresso Pesquisa do Ensino

CONGRESSO DE PESQUISA DO ENSINO – EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA

COLÉGIO LECTUS PRESENTE NO 6º CONGRESSO DE PESQUISA DO ENSINO – EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA

           

A Profª Sandra Calhado, de Biologia, participou do 6º Congresso de Pesquisa do Ensino (Conpe) – Educação e Tecnologia: Revisitando a sala de aula, realizado pelo SinproSP, que aconteceu de 17 a 19 de agosto de 2017. O objetivo da professora na participação deste Congresso foi capacitação, atualização e busca de novidades no universo tecnológico e pedagógico para o Colégio Lectus, uma escola aliada aos novos conhecimentos que o mundo tecnológico e informatizado demanda.

A abertura do Congresso foi feita pelo Prof. Dr. António Nóvoa, Professor do Instituto de Educação da Universidade de Lisboa e a abordagem da sua conferência foi, “Os professores no futuro presente”. Já o Prof. Dr. Cesar Nunes da Faculdade de Educação da Unicamp debateu o tema “Escola e Sociedade: submissão ou apropriação consciente da tecnologia?”.

Prof. Dr. António Nóvoa, Professor do Instituto de Educação da Universidade de Lisboa

Prof. Dr. António Nóvoa, Professor do Instituto de Educação da Universidade de Lisboa

O uso dos recursos tecnológicos, do ensino híbrido, da metodologia ativa na sala de aula, aplicada no Colégio Lectus, foram temas recorrentes deste congresso. Também foram abordadas as questões éticas e a responsabilidade no uso das tecnologias de informação, o ensino híbrido proporcionando a integração cada vez maior entre a sala de aula e ambientes virtuais, fundamental para o processo de ensino aprendizagem.

Segundo o Prof. Dr. António Nóvoa, o professor na sociedade contemporânea, passa por três transições: de “transmissor” para “organizador”, de “individual” para “coletivo” e “interior” para  “público”, formando uma nova identidade profissional.

Fechamos assim, uma interessante atualização sobre educação e tecnologia.


Uma pesquisa foi feita pela Intel Global Innovation Barometer, com 12 mil pessoas em oito países. A pesquisa registra que, segundo os brasileiros, 77% acreditam que o escolas e professores devem se apoiar mais nessa área para melhorar o sistema educacional — o número é superior à média mundial, que foi de 69%. Tablets, notebooks, redes sociais e softwares específicos para educação são, hoje, as principais formas de se aplicar as inovações tecnológicas em sala de aula. 


E você, o que acha?

  • A Tecnologia pode transformar a educação?
  • Investir em tecnologia ainda é caro para a maioria das escolas. Qual é o papel da indústria e do governo para levar isso para as salas de aula?
  • Como você imagina a sala de aula no futuro?

 

Deixe-nos suas considerações.

 

Seja o primeiro a comentar

Deixe seu comentário